top of page

Terapia de Casal: o que é, quando se aplica e como funciona

Você sabe em quais situações que a Terapia de Casal é necessária e como ela funciona?

Muitas pessoas relutam em admitir quando têm problemas, sejam eles profissionais, familiares, questões internas ou conjugais.

Esse comportamento de negar um problema acaba causando impactos negativos, principalmente quando os conflitos envolvem uma segunda pessoa.

Isso acontece porque um relacionamento a dois é muito complexo: saber qual é a sua parcela de contribuição para o surgimento e desenvolvimento desses conflitos, entender que nem tudo acontece da maneira que você planeja, respeitar o espaço e as limitações do outro e aprender a equilibrar as ações, sabendo a hora certa de ceder e de se valorizar são alguns dos muitos detalhes que fazem a diferença na construção de uma relação conjugal.

Ao perceber que você e o seu cônjuge não estão mais conseguindo dominar a relação e que a vida de casal se tornou sinônimo de brigas, discussões e desentendimentos, talvez seja o caso de buscar a Terapia de Casal.


1. O que é Terapia de Casal?

A Terapia de Casal é uma das modalidades clínicas que mais tem crescido nos últimos tempos.

O objetivo da Terapia de Casal é contribuir com a resolução dos conflitos, abrindo espaço para uma comunicação mais reflexiva e assertiva, buscando um alinhamento entre as expectativas do casal.

Nesse contexto, o terapeuta atua de maneira a identificar padrões previamente estabelecidos e busca ampliar a visão do casal propiciando o diálogo, que muitas vezes não ocorre no cotidiano dos parceiros – e a falta de diálogo é, inclusive, uma das principais queixas entre os casais.

O aconselhamento conjugal ou a “Terapia de Casal”, como também é conhecida, geralmente é vista como uma das medidas “extremas” que os parceiros buscam para tentar reparar os danos de seu relacionamento, quando o mesmo já se encontra em um estado crítico.

E é importante ressaltarmos que essa é uma ideia equivocada, pois a Terapia de Casal não serve somente para consertar problemas, mas também contribui para evitar que pequenas fagulhas se transformem em um incêndio dentro da relação.

Em outras palavras, a Terapia de Casal pode proporcionar resultados inestimáveis para o relacionamento e não deve ser procurada somente quando as coisas vão de mal a pior.

Com a ajuda de terapeuta especializado, é possível superar traumas, curar mágoas e promover o bem-estar de ambos, para que a relação seja saudável e feliz.


2. Principais motivos que levam casais a buscarem a Terapia de Casal

Infelizmente não é novidade que o número de divórcios tem aumentado com o passar dos anos. Índices provam esse aumento. A falta de paciência, que leva à falta de diálogo, está entre os grandes motivadores de brigas e discussões.

Um agente importante para que esses problemas primários ocorram é a acomodação.

Quando o casal ou uma das partes pensa que é normal trocarem ofensas, se desrespeitarem ou não terem diálogo, acabam por se acomodar e vivem normalmente dentro dessa “união”.

Uma relação saudável se constrói pelo respeito às diferenças do outro. E quando isso não existe mais, dificilmente terão uma relação resistente ao menor dos problemas.

Assim como falamos anteriormente, muitas podem ser as razões que levam um casal a buscar pelo auxílio de um profissional. Cada casal, em sua intimidade, sabe de suas questões, inseguranças, dúvidas e conflitos internos. E muitas vezes os casais não se sentem à vontade de abordar, entre si, essas questões.

Por isso, a intermediação de um profissional com técnicas específicas ajuda o casal a colocar para fora aquilo que os aflige.

Alguns dos principais motivos que levam casais a buscarem pela Terapia de Casal são:

  • Equilibrar as diferenças individuais dentro do relacionamento;

  • Melhorar a comunicação;

  • Aprender a dividir as obrigações dentro da relação;

  • Identificar e traçar metas e objetivos em comum;

  • Acabar com a competição e com as inseguranças;

  • Desenvolver estratégias para fortalecer a união e manter o compromisso;

  • Melhorar a vida sexual;

  • Superar uma traição;

  • Melhorar a qualidade geral do relacionamento, obtendo satisfação matrimonial;

  • Entender as necessidades do outro.

Cada vez mais a procura pela Terapia de Casal tem aumentado.


Além de ser uma das áreas mais estudadas e desenvolvidas nos últimos tempos, a procura por melhorias e mudanças nas relações entre as pessoas também tem ganhado grande importância.

Do mesmo modo que na Terapia Individual considera-se a história de vida do paciente, na Terapia de Casal deve-se olhar para a história do relacionamento, lembrando que cada casal é único, para que sejam planejadas intervenções compatíveis com o que acontece com os parceiros e que faça sentido para os seus estilos de vida.

A Terapia de Casal se faz necessária principalmente porque estamos falando de duas vidas que vem de históricos de vida diferentes e estavam acostumadas a viver ao seu modo, mas que passam a viver juntas.

Com a decisão de dividir o mesmo teto e acordar todos os dias ao lado da mesma pessoa, ocorrem mudanças no estilo de vida que nem sempre estamos preparados a lidar.

As queixas são diversas, que podem ser desde a escolha por ter ou não filhos, o modo como um responde o outro, ou, até mesmo, o quanto coisas externas estão interferindo na relação do casal, como atividades de lazer, círculo de amizades, uso da tecnologia, dentre outras.

Ao buscar a ajuda de um especialista, entende-se que o casal já deu um grande passo em busca de melhorar o relacionamento, o que é fundamental para o início do processo terapêutico e deve ser reconhecido pelo terapeuta.


3. O que fazer quando o cônjuge não tem interesse em fazer Terapia de Casal


Embora seja uma ótima alternativa para relacionamentos em crise, a Terapia de Casal ainda é vista como um tabu, com bastante relutância por algumas pessoas.

Muitas vezes, o cônjuge sugere esta alternativa como uma maneira de corrigir os desvios na relação, mas é podado por um parceiro ou uma parceira resistente.

O que acontece na maioria das vezes é que a decisão por procurar ajuda e começar a terapia geram ainda mais brigas.

Sempre haverá alguma das partes que não assume a necessidade da terapia, sempre joga a “batata quente” para o outro. E o mesmo, tem que agarrar a batata com todas as forças afim de que ela não caia.

Muitas vezes é difícil que ambos parceiros se disponham às sessões de Terapia de Casal. É muito comum, no entanto, as pessoas procurarem a Terapia Individual com foco em relacionamento.

Nesses casos, uma das partes vai receber ajuda do terapeuta para aprender lidar com as situações difíceis na vida a dois. A mudança de comportamento mesmo com a terapia individual é muito evidente e eficiente.

Ainda há um certo preconceito por parte de quem não frequenta a terapia, pensamentos de “como vou abrir minha vida diante de uma pessoa que não conheço” ou “vou deixar alguém que não conheço interferir nas minhas relações ou no meu modo de portar”, mas logo esses pensamentos são extraídos ao sentir-se leve ao falar do que sente e o efeito positivo que a terapia causa.

É bastante frequente que um membro do casal queira fazer Terapia de Casal porque entende que irá ajudar no fortalecimento da relação e o outro não. As argumentações mais comuns de quem não quer participar da terapia são:

  • Não acredita que a terapia pode ajudar;

  • Acredita que somente o outro é responsável pelo problema do relacionamento;

  • Sente-se desconfortável em dividir assuntos íntimos com um terceiro;

  • Não acredita mais na relação e por isso entende que não há motivos para fazer terapia.

Evidentemente que não há como forçar alguém a ir para a terapia. Mas, o que fazer então?

Uma das coisas que podem ajudar nestes casos é que a outra pessoa esteja aberta a ouvir e entender mais sobre o assunto, antes de iniciar o tratamento propriamente. Ler sobre profissionais qualificados que atendem casais, entender os benefícios que a terapia trará para a relação e, mais importante: entender como isso é importante para quem está querendo iniciar a terapia.

Se você está buscando melhorar seu relacionamento conjugal e seu parceiro ou parceira não quer participar da Terapia de Casal, é bastante importante saber que é possível você começar a ajudar a sua relação através da Terapia Individual.

Quando um dos parceiros promove mudanças, a dinâmica do relacionamento automaticamente muda e o parceiro ou parceira acaba reagindo de alguma maneira a essa mudança.

Mesmo que você queira fazer terapia e o seu cônjuge não queira, fazer Terapia Individual poderá mudar a situação de seu relacionamento em pouco tempo – até mesmo despertando no outro a vontade de iniciar a terapia também.

O indivíduo que faz a psicoterapia estará mais receptível a ouvir novos pontos de vista a respeito do seu relacionamento (se estiver indo à terapia por iniciativa própria), podendo também ver, com outros olhos e de outro ângulo, o que realmente está acontecendo em seu relacionamento, quais pontos precisam ser mudados e o que fazer para que essa mudança aconteça.

É fundamental que a pessoa que não tem interesse em fazer terapia não se sinta obrigada ou forçada. Isso só faz com quem a terapia seja vista ainda mais com maus olhos, gerando desconforto e estresse, dificultando ainda mais a flexibilização dessa pessoa de experimentar os benefícios de um processo terapêutico em algum momento.


4. Como lidar com os conflitos dentro de uma relação


Você já deve ter ouvido falar que “o amor é como uma flor”. Em todos os tipos de relacionamento, esse ditado não podia ser mais verdadeiro.

Como uma flor delicada, que deve ser cultivada com paciência, carinho, tolerância e sabedoria, o amor também é assim: isso ajuda a lidar com as crises e evitar discussões e mal-entendidos.

Algumas pessoas são instáveis ou difíceis de lidar. E, muitas vezes, pequenas coisas podem significar o fim de um grande amor. Nestes casos, podem haver consequências até mesmo como ansiedade ou depressão.

Isso acontece porque todo mundo quer estar certo, ninguém quer ceder e, por essa teimosia desnecessária de ambas as partes, muitos casamentos já acabaram.

Não permita que isso aconteça com vocês. Pense bem no motivo da discussão e se pergunte: isso é realmente importante?

Claro que, se o assunto for realmente sério e grave, de maneira alguma você deve ir contra suas convicções ou valores pessoais; porém, se o motivo for coisa de pouca importância, será que não é melhor concordar, em nome da paz e felicidade doméstica? Reflita!


5. Quando você não confia mais no seu cônjuge


Confiança é tudo em um relacionamento. Como você poderá entregar seu coração, suas inseguranças e planos de vida, a alguém em quem você não confia?

É torturante e desgastante viver com desconfianças, com medo e com ciúmes. Todos sofrem tremendamente com isso, e esse estado de acumulo de sentimentos negativos não costuma acabar bem.

Para a desconfiança há um único remédio efetivo: o diálogo. Sente-se com seu parceiro ou sua parceira e converse. Exponha seus sentimentos e diga os motivos pelos quais você se sente receoso em confiar. Seu parceiro ou parceira tem direito de saber o que você pensa sobre a relação, e também mostrar o seu ponto de vista a respeito.

Porém, se realmente houve, por exemplo, uma traição, ou algo que justifique a quebra da confiança, é o momento de se perguntar se vale a pena continuar com o relacionamento ou se existem chances de isso se transformar em algo bom – geralmente, nesse momento os casais buscam o auxílio de um terapeuta.

Muitas pessoas gostam de espionar, ler e-mails, rastrear o (a) parceiro (a) nas redes sociais, contratar detetives, etc.

Em longo prazo, no entanto, esse tipo de comportamento simplesmente mata qualquer relação. Afinal, ninguém gosta de se sentir vigiado o tempo todo, por mais que não tenha nada a esconder.

6. Até que ponto uma briga de casal é normal


Desentendimentos e conflitos fazem parte de um relacionamento. No entanto, há momentos em que as brigas passam dos limites e deixam de ser uma etapa saudável de discussão.

O que acontece é que, com o estresse do dia-a-dia, problemas externos e pressão profissional, muitas vezes as pessoas trazem esses problemas para dentro da vida do casal, descontando suas angústias e frustrações no parceiro.

São poucas as situações em que vale a pena discutir. É preciso entender que os conflitos e diferenças de opinião são normais e nem sempre é possível mudar o modo da outra pessoa enxergar a vida e o mundo.

O respeito é fundamental nessas horas para que o casal “concorde em discordar” e deixe de brigar por coisas que não vão mudar.

Quando as discussões não levam a lugar nenhum, é sinal de que o casal não está mais conseguindo se comunicar, se colocar um no lugar do outro e tentar entender o ponto de vista alheio.

Esse é o limite: chegou a hora de tomar uma atitude, procurar a ajuda de um terapeuta de casal e tentar recuperar a harmonia e entendimento do relacionamento, por meio da psicoterapia.

O terapeuta pode ajudar atendendo apenas um dos parceiros e avaliando as suas questões e problemas pessoais ou pode, em terapia de casal, atender os dois ao mesmo tempo.

É bem interessante contar com a ajuda da terapia, pois ela pode oferecer o autoconhecimento, esclarecimento e incentivo que estava faltando para a melhora do relacionamento.


7. Como acontece, na prática, a Terapia de Casal e o papel do Terapeuta


A Terapia Conjugal ou de Casal consiste em um tratamento em que há a participação de ambos, com o intuito de melhorar a interação do casal ou vencer dificuldades específicas que estejam vivendo.

Seja em um casamento, namoro ou noivado, a Terapia de Casal pode oferecer auxílio para colocar o relacionamento de volta nos trilhos.

Com o auxílio do terapeuta especialista em casais, os envolvidos na relação devem identificar as causas de seus conflitos e determinar quais mudanças devem acontecer para que ambos fiquem satisfeitos dentro da relação, seja na forma de se relacionarem, seja em suas mudanças pessoais.

A terapia não tem uma solução “mágica” para resolver todos os problemas entre o casal, mas pode mostrar o caminho para que os parceiros se entendam melhor, identifiquem as suas dificuldades e saibam como trabalhá-las adequadamente, sempre preservando o bem-estar individual de cada um.

Vale ressaltar, ainda, que o terapeuta utiliza uma série de abordagens, como recursos educacionais, componentes de mediação e técnicas de Terapia Individual – dependendo de quais dificuldades forem enfrentadas –, para que o casal aprenda a se comunicar, a enxergar o ponto de vista do outro e a interagir com respeito.

Os benefícios que a Terapia de Casal pode proporcionar são inúmeros e fundamentais para a relação, podendo variar de acordo com o perfil dos envolvidos. De qualquer forma, dentre os principais benefícios podemos citar:

  • Mudanças na perspectiva do relacionamento;

  • Recondicionamento dos comportamentos disfuncionais;

  • Aproximação o casal, estimulando os envolvidos a expressar seus sentimentos sem receio de repressão;

  • Melhora na intimidade entre o casal, promovendo resultados positivos até mesmo na hora de manifestar prazer sexual;

  • Ressalta os pontos positivos da relação, como forma de auxiliar o casal a persistir e resistir perante crises e problemas.

Lembrando que os resultados dependem do nível de envolvimento de ambos os parceiros e o compromisso com todo o processo terapêutico.

Nas consultas, tudo o que envolve o casal, desde as famílias de origem e o ambiente em que costuma viver, será analisado.

O papel do terapeuta diante do casal é de ajudá-los a entender quando e como as “dificuldades” começaram e como estão afetando a vida a dois, para, então, capacitá-lo a analisar as situações e a encontrar formas de administrá-las.

Cabe ressaltar que na Terapia de Casal o foco está nas duas pessoas que, juntas, estão tentando melhorar ou mudar algo na relação, ainda que a individualidade dos parceiros também seja levada em consideração.

A partir daí, espera-se que o trabalho terapêutico apresente resultados positivos ao casal, como por exemplo, a capacidade de lidar com as diferenças e conseguir administrá-las a favor da relação.

Para alcançar todos esses objetivos é preciso encontrar as raízes dos problemas e buscar soluções de maneira assertiva, além de resolver as questões associadas à falta de afetividade e dependência emocional.

Além disso, é preciso equilibrar as diferenças individuais, compreender as necessidades um do outro e, é claro, buscar resoluções efetivas.

Portanto, na Terapia de Casal o terapeuta trabalha como uma espécie de mediador.

Ele não vai defender nenhuma das partes, mas vai procurar entender cada um enquanto indivíduo e o casal como um todo. Esse profissional ajuda a identificar os desvios que precisam ser corrigidos e as situações que devem ser expostas e discutidas.

É necessário que o casal sinta empatia pelo terapeuta para que haja envolvimento no tratamento. Se apenas um dos dois se sentir à vontade, o processo não fluirá como deve ser.

Caso o terapeuta perceba que existe problema de empatia ou confiança de uma das partes envolvidas, pode sugerir algumas sessões individuais para verificar o que está ocorrendo.

A privacidade sempre é mantida e respeitada na Terapia de Casal, ou seja, o que é falado em consultório individualmente não é comentado pelo terapeuta, a não ser que seja autorizado.

Se mesmo com todas as explicações e tentativas de convencimento, você não tiver sucesso, procure sozinho por um terapeuta para que ele possa verificar se está no caminho certo e sugerir ações mais assertivas.


Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page